Facção criminosa divide Roraima em 19 regionais para o tráfico – 19/06/2023

0
7

[ad_1]

Esta é a versão online da newsletter Pra Começar o Dia enviada hoje (19). Quer receber antes o boletim e diretamente no seu email? Clique aqui. Os assinantes UOL ainda podem receber dez newsletters exclusivas toda semana.

********

Crime organizado divide poderes em estado paralelo. No norte do Brasil, o Estado de Roraima se divide em 15 cidades. Desde 2013 foi se organizando um tipo de estado paralelo por lá, mantido por uma facção criminosa, o PCC (Primeiro Comando da Capital), que dividiu Roraima em 19 regionais a fim de melhor organizar e expandir os negócios milionários do tráfico de drogas, de armas e de munições.

A capital Boa Vista concentra cinco regionais, e na regional 019 está localizado o garimpo. Uma denúncia do Ministério Público mostra que o PCC dividiu esse estado brasileiro de fronteira com o objetivo de organizar o comércio das drogas e armas nas “bocas de fumo” ou “lojinhas”, informa reportagem de Fabíola Perez. Ali trabalham jovens que tentam reproduzir o sotaque paulistano. Na hierarquia, existem os setores de disciplina e o financeiro e, como em São Paulo, o PCC de Roraima arrecada a mensalidade dos membros da organização. Operações das áreas de segurança em curso identificaram, há anos, ameaças a policiais e membros do Poder Judiciário.

Pagamentos secretos para cabos eleitorais. Nas últimas eleições, a UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) fez pagamentos a pelo menos 73 cabos eleitorais de 17 candidatos a deputado de partidos de esquerda. Reportagem exclusiva do UOL mostra que as pessoas foram contratadas antes da campanha em projeto de pesquisa com folhas secretas de pagamento.

Os 73 cabos eleitorais receberam ao todo R$ 789 mil entre dezembro de 2021 e agosto de 2022. Eles trabalharam para políticos do PT, PV, PSB, PC do B, PSOL e PDT. Veja a lista completa. Dois candidatos a deputado estadual do PT também receberam da universidade.

Resgate dramático no mar de Santa Catarina. Seis dos oito tripulantes foram resgatados do naufrágio de um barco pesqueiro no litoral de Santa Catarina. Os cinco primeiros foram salvos após serem localizados por uma embarcação. Eles conseguiram sobreviver em um bote salva-vidas. O sexto resgatado, por helicóptero, ficou à deriva no mar por dois dias. Está desidratado, mas lúcido, e foi encaminhado ao hospital, segundo o capitão Paiva Aguiar, piloto que o localizou.

As buscas continuam, agora pelos dois homens que ainda estão desaparecidos, segundo a Marinha. O barco pesqueiro BP Safadi Seif desapareceu noite de sexta (16), na costa de Garopaba (SC), quando o sul do Brasil já havia sido afetado por tempestades de um ciclone extratropical. A Capitania dos Portos de Santa Catarina prometeu apurar as causas do naufrágio.

Orçamento bilionário na mira. O Ministério da Saúde virou alvo da cobiça do centrão e do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). É uma das pastas com maior orçamento para investir nas cidades. Para 2023, são quase R$ 182 bilhões.

Atualmente a pasta é ocupada pela pesquisadora e professora Nísia Trindade, uma indicação técnica na área da saúde. Os cargos em secretarias do ministério também estão na mira do centrão, de olho nas eleições de 2024 e 2026.

Frio no Centro-Oeste mata centenas de bovinos. Uma só baleia encalhada e morta causa comoção, pela dificuldade de salvá-la. Quando milhares de peixes agonizam nos rios devido à falta de oxigênio na água, ligam-se os alertas contra a poluição. Sob qualquer ponto de vista, a perda de mais de mil cabeças de gado pelo frio, bois, vacas e bezerros, é uma desgraça, calamidade climática que produtores rurais do Mato Grosso do Sul estão vivenciando desde a semana passada.

O cálculo dos 1.071 bovinos mortos é do Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) e as maiores perdas se concentram na região do Pantanal. Com as temperaturas despencando para menos de 10ºC, pecuaristas espalharam fogueiras pelos campos a fim de manter os rebanhos de gado aquecidos e vivos.

A arte da botecagem pelo mundo. A cidade de São Paulo recebe até 2 de julho o seu primeiro festival de tapas, em 25 bares e restaurantes, promovido pelo Escritório de Turismo da Espanha. O nome das comidinhas para os espanhóis, as tapas, teve origem na obrigatoriedade de servir alguma comida com as bebidas alcoólicas, e naquele tempo distante as fatias de presunto ou queijo tapavam os copos. Tartas de queso, tortillas de batata e até tapas de paella fazem a alegria dos espanhóis.

No Brasil, as tapas são as porções de boteco, de preferência bem grandes, bem servidas. Tem bolinho de carne, salame, pastel, coxinha, bolovo… “Quanto aos sabores, o céu é o limite”, diz Catarina Fernandes, gerente do Bar do Luiz Fernandes. Reportagem de Nossa apresenta também os petiscos de Oriente Médio, Itália, Japão e Tailândia. Tapear, ou comer com as mãos, é universal.



[ad_2]

Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here