O que você precisa saber sobre a vacina da dengue

0
85
A vacina da dengue já começou a ser aplicada no Brasil

A dengue é uma doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que também pode transmitir a chikungunya, a zika e a febre amarela. A dengue pode causar sintomas como febre, dor de cabeça, dor no corpo, dor atrás dos olhos, manchas na pele e, em alguns casos, sangramentos e complicações graves que podem levar à morte.

No Brasil, a dengue é um problema de saúde pública que afeta milhões de pessoas todos os anos. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2023 foram registrados mais de 1,4 milhão de casos prováveis de dengue, com 754 óbitos. Em 2024, até o dia 6 de fevereiro, foram notificados 26.132 casos prováveis, com 5 mortes.

A prevenção da dengue depende principalmente do combate ao mosquito transmissor. Desse modo, eliminando os possíveis criadouros de água parada, como pneus, garrafas, vasos de plantas, caixas d’água, entre outros. Além disso, é importante usar repelentes, roupas que cubram a pele e telas nas janelas e portas.

A importância da vacina contra a dengue

Mas há uma nova forma de prevenção que está chegando ao Brasil: a vacina contra a dengue. Trata-se da Qdenga, uma vacina desenvolvida pelo laboratório japonês Takeda Pharma, que foi aprovada pela Anvisa em março de 2023 e incorporada ao SUS em fevereiro de 2024. A vacina é composta por vírus vivos atenuados da dengue, que induzem a resposta imunológica contra os quatro sorotipos do vírus.

A vacinação com a Qdenga já começou. A princípio, não será em larga escala. Segundo o Ministério da Saúde, o SUS oferecerá 6,2 milhões de doses ao longo de 2024. Como o imunizante é aplicado em um esquema de duas doses, com intervalo de três meses entre as aplicações, cerca 3,1 milhões de pessoas poderão ser imunizadas a princípio.

Mas quem pode se vacinar com a Qdenga?

De acordo com a Anvisa, a Qdenga é indicada para pessoas de 4 a 60 anos. Não foram feitos estudos para avaliar a eficácia da vacina em pessoas com mais de 60 anos. Além disso, podem se vacinar com a Qdenga tanto quem já teve dengue, quanto quem nunca foi infectado. Essa é a primeira vacina liberada no país para pessoas que nunca entraram em contato com o vírus da dengue. A princípio, a vacina será para crianças de 10 e 11 anos.

No entanto, não podem ser imunizados com a vacina quem tem alergia a algum dos componentes, quem tem o sistema imunológico comprometido ou alguma condição imunossupressora, ou gestantes e lactantes.

E qual é a eficácia da Qdenga?

Segundo os estudos clínicos realizados pelo laboratório Takeda Pharma, a vacina apresentou uma eficácia geral de 80,2% na prevenção da dengue, após a segunda dose. A eficácia foi de 83,6% para o sorotipo 1, 97,7% para o sorotipo 2, 73,7% para o sorotipo 3 e 62,3% para o sorotipo 4. Além disso, a vacina mostrou uma eficácia de 95,4% na prevenção da dengue grave e de 86,2% na redução das hospitalizações por dengue.

A vacina Qdenga é segura? Quais são os possíveis efeitos colaterais? A vacina Qdenga foi avaliada pela Anvisa, que considerou que os benefícios superam os riscos. Os efeitos colaterais mais comuns relatados nos estudos foram dor, vermelhidão e inchaço no local da injeção, dor de cabeça, dor muscular, fadiga e febre. Esses efeitos foram leves ou moderados e desapareceram em poucos dias. Não foram observados casos de dengue grave associados à vacina.

A vacina Qdenga é a única vacina contra a dengue disponível no Brasil?

Não. Existe outra vacina contra a dengue aprovada pela Anvisa desde 2015, chamada Dengvaxia, produzida pelo laboratório francês Sanofi Pasteur. Essa vacina também é composta por vírus vivos atenuados da dengue, mas com uma diferença: ela usa como base o vírus da febre amarela. A Dengvaxia é indicada para pessoas de 9 a 45 anos que já tiveram dengue anteriormente. Ela não é recomendada para quem nunca teve dengue, pois pode aumentar o risco de dengue grave nesses casos. A Dengvaxia também é aplicada em duas doses, com intervalo de seis meses, e tem uma eficácia geral de 66% na prevenção da dengue. A Dengvaxia não faz parte do SUS, mas pode ser encontrada em clínicas particulares.

A vacina Qdenga substitui a vacina Dengvaxia? Não. As duas vacinas têm indicações diferentes e não são intercambiáveis. Quem já tomou a Dengvaxia não deve tomar a Qdenga, e vice-versa. Quem tem dúvidas sobre qual vacina tomar deve consultar um médico.

A vacina não elimina os cuidados constantes contra o mosquito.

A vacina Qdenga elimina a necessidade de outras medidas de prevenção da dengue?

A imunização é uma ferramenta importante para reduzir o impacto da dengue, mas não é 100% eficaz e não protege contra outras doenças transmitidas pelo mesmo mosquito, como a chikungunya, a zika e a febre amarela. Por isso, é fundamental manter as outras medidas de prevenção, como eliminar os criadouros do mosquito, usar repelentes, roupas que cubram a pele e telas nas janelas e portas.

A vacina Qdenga é gratuita?

Sim, a vacina Qdenga é gratuita para as pessoas que se enquadram nos critérios de indicação e que residem nos municípios que receberão as doses do SUS. A lista dos municípios contemplados pode ser consultada no site do Ministério da Saúde. Quem não se encaixa nesses critérios ou não mora nessas localidades pode optar por tomar a vacina em clínicas particulares, pagando o valor estipulado pelo estabelecimento.

Se você tem alguma dúvida sobre qual vacina tomar, consulte um médico.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here